miúda

Voltou. Voltou e não gostei nada disso pequena. Talvez tenha demorado um pouco mas pra mim, nunca terá sido suficiente. Uma vez ouvi dizer que lágrima nenhuma merecia se escorrer em rostos bonitos assim e no teu então menina, é quase crime contra humanidade isso acontecer.

Voltou e eu também  não gostei e por isso te ver falar em rosto bonito se referindo ao meu, me atinge feio bala, porque o que vejo num reflexo de espelho qualquer, me deixa ainda mais triste. Ando distante do que queria enxergar. Talvez sejam as olheiras de volta com a rotina atropelada.

Voltou e não quero que fique, porque te ver assim, versão miúda de você mesma, me dói profundo no peito. Quero te pegar no colo e te arrancar sorrisos bobos, porque o peso de seus olhos tristes, me deixa impotente também. 

Voltou mesmo e eu só sinto muito medo, não sabe? De não suprir as expectativas ao redor e principalmente as minhas. De não ser tudo aquilo que um dia achei que fosse capaz de ser. Medo de desabar mais uma vez. 

Se aquiete menina, que as coisas hão de se ajeitar. Essa insegurança até que é normal e eu sei que você é melhor que esse poço pequeno de esperança que acha que é. 

Me aquieto. Mas queria um abraço apertado pra chorar um choro molhado, esse de limpeza da alma, entende? Olho ao redor e não vejo onde... as dores que a gente vive guardando no bolso uma hora vaza, não cabe mais. 

Ei, deita aqui, te faço um cafuné. Te faço uma oração também, pra que tudo isso vá embora pra longe de ti. Sempre tem gente com o bolso mais cheio que o seu, então, se aquiete aqui. Deve de ser a tal tensão pré qualquer coisa que seja. 

É, deve ser. Vai passar. De novo. "Sou pequenino e também gigante". ♪


Qualquer conversa entre duas almas
 que podem morar num mesmo corpo. 

Vamos viajar?

Sempre gostei de viajar, mas a maioria das minhas viagens foram através de livros e assim, passei a nutrir o desejo de conhecer cidades, vilarejos, países e ilhas (e outros mundos, porque não?) onde viveram os personagens dos livros favoritos. Um dos memes do mês julho do Rotaroots (antes tarde do que nunca), por causa do mês das férias, é para falarmos dos lugares que queremos conhecer e, convenhamos, o mundo todo pode ser uma resposta? Gosto de viajar, mas odeio o deslocamento, o trajeto, a ida ou a vinda, o fazer e desfazer malas, mas ainda assim, tem alguns lugares que gostaria muito de ver de perto, pelo menos uma vezinha na vida. 

Radda in Chianti - Itália


Acho que desde que Matteo apareceu na pele do Thiago Lacerda em Terra Nostra eu nutro um afeto imenso com tudo que vem da Itália e, com ele uma vontade grande de desbravar as terras, os vilarejos, o idioma, vinhos e massas de lá. A cidadezinha medieval Radda in Chianti fica na região da Toscana e na província de Siena, região que fiquei ainda mais louca pra conhecer depois de ler Julieta, cujo cenário é bem por ali. Acho amor demais essas pequenas cidades de climas bucólicos e só de pensar em caminhar por essas pequenas ruas calçadas com pedra e cheias de fachadas charmosas de mãos dadas com o marido, já me enche o coração de esperança de que possamos ir loguinho.

Revirei o Tio Gúgou e não achei uma imagem decente. Vou ter que ir tirar uma foto melhor. :D



Santorini - Grécia


Assim como a viagem citada acima, a de Santorini comecei a planejar na minha cabeça a partir de uma cena vista na televisão, mais precisamente no filminho de Sessão da Tarde "Quatro Amigas e um jeans viajante", que é pra onde a Rory, digo a Lena, interpretada pela diva Alexis Bledel, vai nas suas férias e nos enche os olhos com aquela paisagem. Vê aí umas casinhas brancas pra mim por favor, pra levar. Obrigada.



Gramado - Rio Grande do Sul


Outra coisa que nutro desde sempre, é a vontade de conhecer o sul do Brasil. Fui uma vez a Maringá e já me encantei, só de ter ido até ali. Tudo lá do sul encanta: a comida, o sotaque, o frio. Gramado está na lista de lugares que quero ir since 1920 e espero mesmo, este ano poder riscar este item da lista e ir desfrutar das belezas e delícias da cidade.



Bora Bora - França


Sou branquela e corro do sol e do calor como ninguém, fico mal humorada e insuportável na época de calor aqui em Minas, afinal, não temos um mar para nos refrescar e para curtir este sol todo no verão. Mas, pegar um solzinho na ilha de Bora Bora eu mais que topo - já tô colocando biquini na mala. Ficar ali naqueles chalés, curtindo o sol e a sombra ao mesmo tempo, olhando pr'aquela imensidão verde-azul e lendo um livro enquanto o marido tira um cochilo. Aiai. Não seria má ideia, de jeito nenhum.



Londres - Inglaterra


Eu tinha que escolher um dos destinos tradicionais de mochilão dazoropa, pensando que dali, de trem, vamos pra qualquer outro país num piscar de olhos. Londres porque é cenário de vários dos meus filmes favoritos e agora, de um dos meus livros favoritos também: Fiquei com seu número, da Sophie Kinsella. Quero conhecer tudo que turista tem direito: Palácio de Buckingham, Tower Bridge, London Eye e a Abadia de Westminster, etc, etc, etc. 



Orlando - Estados Unidos


Mais precisamente o parque da Disney, sim senhora. Mamãe sempre amou desenhos e filmes da Disney e sempre via os filmes comigo e deixava eu alugar trezentas milhões de vezes seguidas os filmes da Branca de Neve e talicoisa. Resultado: cresci uma criança corrompida pela Disney, uma princesa frustada por não viver num palácio e não ter ratinhos e cavalos e cachorros falantes  (mimimimi). E outra coisa, o parque tem um mundo de brinquedos e muita diversão oras, qualquer idade pode ir, mas mãããããnhêêêêê, quero ver o show das princesas e o desfile tá? E claro, tirar foto com o Mickey e com a Minnie. 




Essa postagem faz parte da blogagem coletiva do Rotaroots
um grupo de blogueiros que pretende resgatar os bons tempos do mundo dos blogs.

Para

Para com esse todo mal estar que está passando para as pessoas e deixa de ser tão indecisa, você não tem mais aquela idade que achava que o mundo era contra você. Para com esse disse-me-disse inesgotável de que as pessoas deviam ser amar mais e te amar mais porque você não sabe o que se passa dentro delas, não pode julgar ou sequer dizer algo a respeito. E eu acho melhor você parar também, antes que seja tarde demais, com essa irritabilidade sem fim por qualquer coisinha: pare e arrume um chá de camomila, vê se te acalme.

Para com esse ciúme bobo das pessoas e de tudo que rege sua vida, você não é dona de nada e as pessoas tem direito de escolher se vão ou não ser seus amigos, se vão ou não gostar dos mesmos livros e se vão ou não escolher o mesmo curso. Nunca vi isso na vida, ter ciúme das escolhas, como se fossem só suas.  Para, tá? Antes que se machuque de novo e de novo e vejamos de novo aquele filme antigo de decepção e mágoas. Para, porque a gente não quer isso.

E pelo amor de Deus, volta lá e pega a sua confiança de volta, que você esqueceu num banco de praça qualquer, a devolva pro seu bolso e não larga mais dela, porque as coisas hão de dar certo, eu sei que sim. E não desgruda mais dessa fé e para de se lamentar: guarda pra si as coisas porque ninguém é obrigado. As coisas andam complicadas pra meio mundo e seus mimimis não vão colocar a dor de ninguém no bolso pra virem te dar colo. Pare. Pare. Pare. Pare.  Cê é bem melhor que isso. Cê já é bem grandinha pra deixar que os hormônios te faça chorar um rio inteiro no banheiro, enquanto a água do chuveiro escorre e tenta levar da sua alma, tudo que é sentimento pobre. E para logo de escrever esse rabisco que já passou de nhenhenhen. Para. 

>>